Paulo Paim, de metalúrgico a senador

4

paulo_paim_revista_afroEle é um dos raros senadores negros atualmente no Congresso. O gaúcho Paulo Paim nasceu em Caxias do Sul, em 1950. Seu pai era metalúrgico e sua mãe, dona de casa. Aos oito anos de idade, começou a trabalhar amassando barro numa fábrica de vasos. Após concluir o curso primário, ingressou no SENAI, tornando-se então metalúrgico, matrizeiro e ferramenteiro.

 Paim enfrentou muitas dificuldades para ser o deputado mais votado do Rio Grande do Sul e, segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, estar entre os parlamentares de maior destaque no Congresso Nacional, um dos que mais se dedica à causa negra.

Antes de começar a atuar no movimento sindical, o primeiro contato com a política foi ainda quando morava em Caxias do Sul. No tempo de estudante, Paim foi eleito presidente do Grêmio Estudantil do Ginásio Noturno Alberto Paes Goulini, e depois, do Grêmio do Ginásio Estadual Santa Catarina. Em 1981, foi eleito Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas e reeleito no mandato subseqüente. Em 1986, candidatou-se pela primeira vez a deputado federal. É autor da Lei 9.459/97, sancionada em 13 de maio de 1997, que trata dos crimes de racismo, modificando a legislação penal e incluindo as discriminações e preconceitos como injúria.

 Em 2002, após uma ferrenha disputa entre fortes candidatos, o povo gaúcho elegeu Paim como senador. Reconhecimento do trabalho realizado em quatro mandatos na Câmara Federal, dedicados às causas sociais, aos trabalhadores, aposentados, discriminados e servidores públicos. Neste período, Paim aprovou um dos mais importantes projetos de sua trajetória política, que já havia apresentado na Câmara dos Deputados – O Estatuto do Idoso.

Em 2009, o senador foi eleito para presidir a Subcomissão do Idoso, no âmbito da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, e a Subcomissão em Defesa do Emprego e da Previdência no âmbito da Comissão de Assuntos Sociais.

Share.

About Author

4 Comentários

  1. jayme arthur on

    Olá;Me dirio aos senhores para denunciar um caso de possivel racismo na empresa em que trabalho.Temos uma mulher negra que teve o seu cargo rebaixado por razoes nao muito claras e que devriam ser avaliadas.A propria pessoa atingida nao se sente a vontade para falar do assunto mas como acredito que isso nao seja temática para ficar a disposicao de decisoes individuais dirijo-me aos senhores para que avaliem.Trata-se de empresa do governo o que torna a questao mais grave.A empresa e o Banco do Brasil que promoveu na Superintendencia Duque de Caxias RJ 4 gerentes gerais loiros com tracos Europeus, nariz aquilino,pele branca cabelos loiros e destituiu uma negra, sinceramente, isso nao me coincidencia.Por favor avaliem, a agencia de decomissionamento e Vila Militar Rj e os comissionamentos foram em Queimados RJ. Mesquita RJ , Nova Iguacu RJ

  2. Egbonmy Conceição Reis de Ógùn on

    Parabenizo o Site pela sua diversidade, em prol ao Povo Negro!!!

    Sugiro que o mesmo seja linkado aos sites de Organizações, Ministério, Fundações, Entidades e Instituto que trabalham com as questões do Povo Negro pelo mundo afora.

    Não deixem de incluir nos espaços Gente bem como neste espaço nossas personalidades negras
    das Religiões Afro Brasileiras de Matrizes Africanas.

    Carinho e axé,

    Egbonmy Conceição Reis de Ógùn
    Coordenadora Intecab – SP
    Conselheira Cnpir – Seppir
    Conselho Gestor – Cone

  3. Maria Luiza B da Silva on

    Sou professora e quero apresentar para meuscolegas atraves da Lei 10.639/03 o rosto dos parlamentares negros da politica nacional. A população negra nao tem reprsentantes negros/as. Maria Luiza

Leave A Reply