Somália sofre o ataque mais letal desde 2007.

O maior atentado com caminhões-bomba desde 2007que sacudiu a capital de Somália neste sábado converteu-se em um dos piores ataques das últimas décadas na Somália. O número de vítimas chegou a mais de  230 e, segundo as equipes de resgate, há 350 feridos.

O atentado atingiu o Hotel Safari e um concorrido mercado de Mogadiscio. A maioría dos mostos eram civis, principalmente vendedores ambulantes que comerciavam em una das ruas mais movimentadas da cidade. Segundo o portal de notícias local Radio Garowe, um importante funcionário do Ministério do Comércio é uma das vítimas.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha confirmou, em um comunicado, que quatro de seus colaboradores locais morreram no atentado, mas este número pode aumentar porque muitos membros da organização estão desaparecidos.

O presidente de Somália, Mohamed Abdullahi Farmajo, decretou três días de luto e fez um apelo urgente à população para que doar sangue aos hospitais, muitos sem condições de atender e salvar a vida dos feridos.

Situada na costa leste do continente, na região conhecida como Chifre da África, a Somália tem mais de 10 milhões de habitantes e é um país de maioria muçulmana.

Os EUA, através da sua missão na Somália, condenou os “ataques covardes” e reafirmou a intenção de unir forças com o governo local e a União Africana no combate ao terrorismo islâmico.

O atentado aconteceu dois dias depois de o general que lidera o Comando de África dos Estados Unidos ter ido a Mogadíscio para se reunir com o Presidente da Somália.