TOP 5: especialistas em cabelo afro no Brasil

Artigo por Vanessa Fontes

Com o aumento expressivo de pessoas em processo de transição de cabelo e o empoderamento da mulher negra, cada dia mais surgem salões especializados em cuidar especificamente de crespos e cacheados. Mas engana-se você em pensar que esse assunto é algo novo. Fomos atrás de 5 especialistas que estão no mercado há muitos anos e fazem a diferença quando falamos em cabelo afro.

Zica

Zica, fundadora do Beleza Natural. Foto: reprodução

De ex-faxineira à dona de uma rede milionária

Eleita pela revista Forbes como uma das 10 mulheres mais poderosas do Brasil, Heloísa Helena Assis, mais conhecida como Zica, é dona de uma das mais importantes franquias para cabelos do Brasil: o Beleza Natural, uma rede de salões de beleza especializados em afros e cacheados.

Escutar alguém elogiando meu cabelo novamente após anos de quedas nos fios e de testes em mim mesma, foi uma alegria sem descrição. Percebi naquela hora que tinha conseguido um produto para tratar meus fios crespos.

– Zica Assis (1990)

Tudo começou quando cansada das muitas ofertas de alisamento para o seu cabelo, a carioca Zica, começou a fazer investidas para criar uma solução que tratasse seus cachos e valorizasse sua cabeleireira natural. Foi depois de muitas tentativas e quase ter ficado careca que a empresária conseguiu chegar a fórmula desejada e junto ao irmão Rogério (que muitas vezes serviu de cobaia), o marido Jair e Leila, amiga de Rogério, começaram uma sociedade que se transformou em cerca de 40 unidades no país, mais de 4.000 empregos e na abertura de uma loja em Nova Iorque.

Solange Dias

Solange Dias, cosmetóloga, visagista e personal hair.

Uma bolsa de estudos que mudou a vida

Filha da Dona Eva de 80 anos com mais de 50 de carreira, Solange Dias é uma a cosmetóloga e personal hair de 55 anos que ganhou o mundo e foi responsável pela cabeleireira de inúmeras celebridades como Anita Baker, Tina Turner, Patrícia Dejesus, Cris Vianna, Paula Lima, Adriana Lessa, Beth Carvalho e a supermodelo e atriz Naomi Campbell, que foi sua cliente durante 9 anos.

Tudo começou quando sua mãe que tinha um salão, inicialmente de fundo de quintal, foi convidada para oferecer o primeiro curso para cabelos crespos no Brasil, dentro do SENAC e Solange, como tinha acabado de sair de uma faculdade de Letras, entrou para a área ajudando a mãe a montar o curso por escrito. Essa parceria chamou a atenção de uma empresa norte-americana muito famosa, chamada Soft Sheen. Essa empresa soube do histórico da parceria entre mãe e filha e resolveram investir na formação e futuro de Solange, oferecendo a ela uma bolsa de estudos nos Estados Unidos e posteriormente o cargo de diretora técnica da empresa.

As coisas da minha vida foram acontecendo, eu não sabia que ia ser diretora técnica da Soft Sheen. Uma simples  menina que acabou virando diretora dessa multinacional, formada em cosmetologia, graças a uma segunda bolsa de estudos na Dudley’s Cosmetology University, e gerando interesse de tantas celebridades.

– Solange Dias (2017)

Mas Solange não parou por aí, a especialista que está a todo vapor, já teve cerca de 8 salões enquanto diretora técnica da Soft Sheen, ganhou o respeito da classe artística e também do  mercado de beleza, viajou por mais de 29 países com empresas de cosméticos, ministrou seminários e cursos, inclusive no SENAC, onde tudo começou.

Recentemente foi convidada para ministrar cursos em uma empresa do Pacífico, além de atender no seu Studio em São Paulo.

Bárbara Moura

Bárbara Moura, fundadora do Raízes Salão Afro

A vontade de cuidar de afros que nasceu com um ídolo

Estamos repletas de profissionais cariocas que fazem a cabeça das mulheres crespas e cacheadas e a cabeleireira especialista em cabelo afro, Bárbara Moura não faz por menos. Ela que tem o seu salão desde 2001, conta em entrevista que a vontade de abrir o próprio negócio nesse mercado, nasceu exatamente da vontade de cuidar do seu próprio cabelo, pois na época não existiam muitos salões especializados e os que existiam e tinham boa qualidade, eram extremamente caros. Segundo Bárbara, alguns desses salões chegavam a fornecer carnê para que suas clientes pudessem pagar pelo serviço antes mesmo de realizá-los.

Quando eu era menina, todos queriam ter o cabelo do Michael Jackson (inclusive eu), mas nem todos podiam. Os produtos eram caros e importados. Dez anos depois, quando esse tipo de produto começou a ser mais difundido no Brasil, eu finalmente comecei a trabalhar com eles.

Barbara Moura (2017)

Uma reputação construída no marketing boca-a-boca

Como bem sabemos, no começo nada são flores, ainda mais pela resistência que existia na época sobre a naturalização do cabelo. A especialista conta que quando abriu seu salão em Praça Seca, Rio de Janeiro, passou cerca de 30 dias sem receber um único cliente. Apenas vendedores entravam na loja, e com o passar de cerca de dois meses, as pessoas que vinham até ela para mudar o cabelo gostavam do serviço, produtos e atendimento e indicavam para outras pessoas.

Segundo a especialista é muito importante existir cada vez mais, salões especializados em cabelos afro para que a mulher negra não tenha dificuldade em encontrar um espaço onde o cabelo dela vai ser valorizado e tratado por profissionais realmente capacitados e entendidos em afro.  “Isso tem muito a ver com o respeito e reconhecimento da mulher negra, pois ela tem direito de ter um salão especializado para cuidar do cabelo dela, coisa que mesmo a gente pagando bem caro, há 20 anos atrás isso não existia”, diz Bárbara. A profissional ainda completa dizendo que na época em que ela era cliente  e procura salões para fazer permanente Afro, passou muitas vezes pelo desrespeito, chegava no salão às 8h da manhã e sai de lá quase no fim da tarde e sempre ouvia um “vou só [cortar o cabelo dela], [passar uma tinta], [uma hidratação] que é rapidinho e já começamos o seu”. “foi aí que eu pensei, já que não tem salão aqui que consiga atender com qualidade e respeitar a mulher negra, vou eu abrir o meu” completa.

Hoje, com o sistema de franquia e licenciamento de salões, o Raízes Salão Afro, tem diversos salões licenciados pela cidade do Rio de Janeiro e planeja expandir ainda mais seus negócios. Segundo a fundadora, todos os profissionais são altamente treinados e trabalham exclusivamente com a sua linha de produtos e de seu principal fornecedor, Onduladus. “São produtos de qualidade que fazem toda a diferença no cuidado com o cabelo crespo e cacheado. Nossas clientes vêm até nós pela qualidade do atendimento, serviço e principalmente pela qualidade dos nossos produtos”, finaliza.

Maria Cristina Soares

Maria Cristina Soares, especialista em cabelos afros e dona da marca Mega Black & Cachos

De mãe pra filha: uma história de luta e sobrevivência

A sobrevivência e os ensinamentos de sua mãe fizeram a especialista em afro, Maria Cristina Soares entrar para o ramo há muitos anos atrás. Quando sua mãe adoeceu, Cris que tinha apenas 11 anos se viu na obrigação de seguir os passos da mãe e a atender as cartela de clientes que ela tinha conquistado ao longo da carreira.

Aos 13 anos que comecei a trabalhar mais profissionalmente no salão da minha madrinha. Ela me levou para o SENAC onde eu conheci pessoas e aperfeiçoei minha técnica e fui me especializando. Mas até então, o foco não era os cachos.

-Maria Cristina Soares (2017)

Foi em 1995, após cursar enfermagem e passar no concurso com a esperança de ter uma vida mais estável que Maria Cristina Soares começou a ver o movimento do cabelo afro ganhar forças e resolveu voltar a ativa. Se inscreveu na Soft Sheen e de lá para cá nunca mais parou de fazer permanente afro.

Em 2010, depois de entrar para o Top 10 cabeleireiras da Avlon, entre RJ, MG e SP, a especialista resolveu aperfeiçoar a parte sofisticada do cabelo étnico  como o visagismo, a mudança de cor, looks e foi estudar cosmetologia, visagismo, tricologia e terapia capilar e hoje tem um salão na Avenida dos Italianos em Rocha Miranda, RJ e uma marca de cosméticos chamada Mega Black & Cachos.

Fátima Balbino

Fátima Balbino, Especialista em Afros, Campinas.

A busca por cuidar do próprio afro que virou profissão.

Nascida e criada em Campinas, a campineira Aparecida de Fátima Balbino, trabalha com cabelo afro a 33 anos e tem o seu próprio salão há 24.

Em 1980, eu decidi por essa profissão por achar dificuldade na época em arrumar cabeleireiros aqui em Campinas que trabalhassem com afro. Não tinha, era a maior dificuldade. Até que encontrei um cabeleireiro especialista, ele que me ensinou grande parte das cosias que sei hoje.

-Fátima Balbino

A vinda da primeira filha, que hoje tem 24 anos, foi o start perfeito para Fátima abrir o próprio salão, Fátima Cabeleireiras Afros, em 1993, no centro de Campinas. Ela lembra que a sua filha, formada em fisioterapia, além de atender os pacientes, também ajuda no salão que oferece serviços como permanente afro, relaxamento, tranças, alongamentos, texturizações, dreads, etc.

Artigo por Vanessa Fontes

  • Maria Cristina

    Agradeço a Pesquisa feita e tenho Gratidão por ter escolhido essa Profissão que Deus me Deu.